top of page

Métodos de medição de potencial - Parte 2

Clique AQUI para conferir o primeiro artigo


Utilizando uma unidade portátil


Um eletrodo de medição / referência, um voltímetro / multímetro de alta impedância e uma ponta de metal (probe) para estabelecer o contato no aço são encapsulados formando um equipamento solidário. um medidor de potencial eletroquímico portátil, o qual é manuseado facilmente pelo mergulhador.

A leitura é tomada em condição submersa e o mergulhador pode reportar as medições obtidas para a superfície verbalmente, através do equipamento de fonia ou a mesma pode ser observada na cabine de controle do mergulho, através de câmera instalada em seu capacete de mergulho.

Essa leitura é obtida quando se estabelece o contato elétrico entre a extremidade do probe e a estrutura metálica, então o potencial é lido diretamente no display (visor) da unidade portátil.


Eletrodo de medição de potencial conduzido pelo veículo de operação remota (ROV ou VCR)


Geralmente o eletrodo é instalado no chassi ou em um braço manipulador instalado à frente do veículo. O aterramento elétrico é feito no próprio local de medição, evitando que o veículo fique preso á estrutura por um cabo, o que limitaria sua movimentação.

Uma das principais desvantagens de sua utilização é a dificuldade do acesso à parte interna da estrutura de plataformas.

O eletrodo de medição é conduzido por um veículo comandado a partir da superfície.




Esse método permite grande agilidade e ganho de tempo, sendo possível fazer medidas em diversos níveis e a grandes profundidades, sem preocupação com tabelas de descompressão para mergulhadores.

Cuidados especiais devem ser tomados quanto a instabilidade gerada pelas turbulências dos propulsores do veículo, a qual pode promover a variação do potencial obtido em determinados pontos.

O potencial obtido é lido na superfície por meio do multímetro do software de controle do veiculo.


Eletrodo de medição fixado à estrutura (monitoração)


São selecionados na fase de projeto, pontos específicos que possam representar o potencial de uma estrutura que se queira monitorar.

Nesses pontos, são instalados eletrodos de referência de Zinco (de alta pureza ou anodos de Zinco) ou ainda eletrodos de Ag/AgCl.


Porém como ambos com o tempo perdem precisão, uma solução para aumentar a confiabilidade, é a instalação no mesmo local de eletrodos de Zn e Ag/AgCl, que quando monitorados através de um painel na superfície, apresentam valores de potencial em torno de -1.040V (o eletrodo de Zn ligado ao polo positivo e o Ag/AgCl ligado ao polo negativo) do multímetro.


É necessário que o eletrodo “veja” a estrutura que se deseja monitorar e não faça “sombra” nela, impedindo que a corrente possa fluir livremente.

Outro parâmetro controlado em sistemas fixos de monitoração é a corrente drenada em alguns anodos selecionados.

Desta forma é possível controlar o consumo dos anodos e verificar se a vida útil deles encontra-se dentro dos parâmetros de projeto.


Conclusão


O artigo discute três métodos de medição de potencial eletroquímico em ambientes submersos: a unidade portátil para mergulhadores, o uso de eletrodo em veículos remotos e a fixação de eletrodos para monitoramento estático.

Cada abordagem tem vantagens e desafios únicos, proporcionando insights valiosos sobre o potencial eletroquímico das estruturas submersas. A seleção do método dependerá das necessidades específicas e das condições do ambiente subaquático.

Em conjunto, essas abordagens oferecem uma gama diversificada de ferramentas para avaliar e monitorar de forma eficaz o potencial eletroquímico em ambientes submersos.

 

Ficou alguma dúvida, então envie um e-mail para contato@multiend.com.br que estaremos prontos para tirar sua dúvida.


PS: Ah, se tiver algum assunto que gostaria de ver abordado por aqui, basta entrar em contato pelo mesmo e-mail ;)

33 visualizações

Comments


bottom of page